Santo do dia › 06/08/2018

Transfiguração do Senhor

A liturgia romana lia um trecho do evangelho que se refere ao episódio da transfiguração no sábado das Quatro Têmporas de Quaresma, pondo assim em relação este mistério com a paixão. O próprio evangelista Mateus inicia a narração com as palavras: “Seis dias depois (isto é, após a confissão de Pedro e a primeira predição da paixão), Jesus tomou Pedro, Tiago e seu irmão João, e os levou para um lugar à parte, em alto monte. E ali foi transfigurado diante deles. O seu rosto resplandeceu como o sol e as suas vestes tornaram-se alvas como a luz”. Existe neste episódio clara oposição à agonia do horto de Getsêmani. É evidente a intenção de Jesus de oferecer aos três apóstolos antídoto que os fortalecesse na convicção da sua divindade durante o terrível teste da paixão.

O alto monte, que o Evangelho não diz qual seja, é quase certo que se trata do Tabor, localizado no coração da Galileia e domina a planície circunstante. A data deve ser colocada entre o Pentecostes hebraico e a festa das Cabanas, no segundo ano de vida pública, no ano 29, no período dedicado por Jesus de modo particular à formação dos apóstolos. Aquela montanha isolada era de fato muito propícia às grandes meditações, no silêncio solene das coisas e no ar rarefeito que mitigava o calor de verão.

Com esta visão sobrenatural Jesus dava confirmação à confissão de Pedro: “Tu és o Cristo, Filho de Deus vivo”. Aquele instante de glória sobre-humana era o penhor da glória da ressurreição: “O Filho do homem virá na glória do seu Pai”. O próprio tema do colóquio com Moisés e Elias era a confirmação do anúncio da paixão e da morte do Messias. A transfiguração, que faz parte do mistério da salvação, é bastante merecedora de celebração litúrgica, que a Igreja, tanto do Ocidente como do Oriente, celebrou de vários modos e em diferentes datas, até que o papa Calisto III elevou de grau a festa, estendendo-a à Igreja universal.

Extraído do livro:
Um santo para cada dia, de Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini.